quarta-feira, 23 de julho de 2014

Ceilândia terá Cidade do Automóvel

 
 
Ceilândia ganhará ainda este ano um setor específico para abrigar as revendedoras de veículos seminovos e usados da cidade. O anúncio foi feito na noite desta terça-feira (22) pelo candidato à reeleição pela coligação Respeito por Brasília, Agnelo Queiroz, na QNM 10, em, Ceilândia Norte, durante a comemoração dos 19 anos de fundação da primeira agência de veículos da região. Já batizada de Cidade do Automóvel de Ceilândia,  a nova área fica na QNM 26, próximo à Caesb, às margens da BR 070.
 
“Cumprimos todas as etapas legais para instalação da nova área. Estamos valorizando e reconhecendo a importância desse setor, que tem uma tradição muito grande na cidade. Com essa iniciativa daremos à categoria condições de exercer suas atividades com tranquilidade,organização e segurança jurídica”, destacou Agnelo Queiroz.
 
Agnelo Queiroz explicou que o projeto de implantação da Cidade do Automóvel de Ceilândia está em fase final na Secretaria de Habitação e Regularização Fundiária (Sedhab) e será enviado à Câmara Legislativa do DF logo após o recesso parlamentar. Hoje, a região administrativa possui 24 agências de veículos na região da QNM 10, em Ceilândia Norte, e QNOs 1, 3 e 9, no Setor O.
 
O candidato à reeleição como vice-governador pela coligação Respeito por Brasília, Tadeu Filippelli, elogiou a luta dos revendedores de veículos para consolidar a Cidade do Automóvel de Ceilândia. Filippelli também destacou os investimentos do governo na área de transportes na região administrativa. “A melhor coisa da vida pública é poder resgatar os compromissos assumidos. Hoje [ontem], começaram a rodar aqui 15 ônibus articulados. Mais 40 já estão em Brasília para, brevemente, atender a população de Ceilândia”, afirmou Filippelli.
 
Também presente ao encontro, que reuniu ainda empresários do setor de farmácias e autopeças, o presidente da Associação Comercial e Industrial de Ceilândia (Acic), Clemilton Saraiva, defendeu a reeleição de Agnelo Queiroz, a quem credita o crescimento econômico e social da cidade nos últimos três anos. “A recondução de Agnelo ao Buriti é um compromisso de todos nós. Ele resgatou todos os compromissos assumidos com a população”, ressaltou Saraiva.
 
Na avaliação de Saraiva, a conclusão do campus da UnB e da via que liga o P Sul a Samambaia, além da construção de duas Upas e da Escola Técnica Federal, entre outras obras, demonstram o empenho de Agnelo Queiroz em promover o desenvolvimento da região administrativa mais populosa do DF.
 
Pedro Batista, proprietário da primeira agência de automóveis de Ceilândia e presidente informal da associação da categoria, está confiante na implantação do setor e elogiou a postura de Agnelo Queiroz diante da reivindicação do segmento. “Ele sempre nos atendeu, veio aqui e se reuniu conosco várias vezes. Enfim, deu a atenção que esperávamos de um governante. Espero que ele seja reeleito para que possamos trabalhar juntos no próximo mandato”, afirmou Batista.

Justiça libera publicações sobre Arruda no site do Ministério Público

 
A representação eleitoral que a Coligação “União e Força”, de José Roberto Arruda, candidato a governador do Distrito Federal, enviou contra a Procuradoria Regional Eleitoral (PRE) na última quarta-feira, e foi acolhida por uma liminar na última sexta, foi cancelada nesta terça pela mesma juíza que concedeu a liminar, a juíza auxiliar do Tribunal Regional Eleitoral do DF (TRE) Eliene Ferreira Bastos. Arruda contestava duas notas — e pedia a retirada desses conteúdos da página da PRE — divulgadas no último dia 10 pelo Ministério Público Eleitoral (MPE), que afirmam que o candidato estaria impossibilitado de assumir o cargo de governador, em razão de ter sido condenado por improbidade administrativa pelo Tribunal de Justiça do Distrito Federal e Territórios (TJDFT).
José Roberto Arruda foi o primeiro governador do país a ser preso, em 2010, suspeito de envolvimento com o escândalo conhecido como mensalão do DEM, quando Arruda era do partido, e teria atuado no suposto esquema de compra de apoio político no DF.
A juíza classificou a condenação a Arruda por improbidade administrativa como “pública e notória”. “Nenhuma informação inverídica foi prestada pelo Ministério Público Eleitoral”, argumentou a magistrada na decisão, que nega que as notas divulgadas pela PRE sejam propaganda negativa, como queria a representação da coligação de Arruda. “Com a decisão do TJDFT, os candidatos ficam impossibilitados de assumirem os cargos, caso sejam eleitos”, dizia uma nota contestada pelo ex-governador.

A representação, do último dia 16, afirma que as notas foram feitas “de forma dolosa, precipitada e irresponsável”. “O Ministério Público Eleitoral praticou conduta vedada da legislação eleitoral que proíbe propaganda que caluniar, difamar ou injuriar qualquer pessoa, assim como a propaganda, ainda que regular, em sites de órgãos públicos”, diz o documento. As notas do MPE, diz a representação, “extrapolaram os limites da liberdade de expressão” e envolvem “desgaste político incalculável” para Arruda. Era pedido pela coligação que o MPE se furtasse de praticar atos que poderiam denegrir candidaturas, o conteúdo fosse retirado do ar, e que o MPE fosse multado.

“As notas divulgadas objetivaram atender ao interesse de informação da população do Distrito Federal” para evitar “situação de insegurança para o eleitor”, e as informações prestadas já eram amplamente conhecidas, diz a decisão. A juíza ressalta que as publicações na página do Ministério Público Eleitoral estariam sujeitas a análises da Justiça Eleitoral, como reconheceu o próprio MPE. Com a decisão, a liminar que havia sido concedida à coligação de Arruda na última sexta-feira foi cassada.
 

O Globo
 
 
 



  
 

terça-feira, 22 de julho de 2014

Projeto cria carreira de assistente de advocacia para graduados não aprovados no Exame da OAB

Um projeto recém-apresentado no Senado cria a função de assistente de advocacia que seria desempenhada por graduados em Direito que são proibidos de exercer a profissão de advogado por não cumprirem o requisito de aprovação no Exame da OAB. De acordo com o PLS 232/2014, esses bachareis poderão atuar , prestando auxílio aos advogados, que ficariam responsáveis por sua supervisão, ou ainda como mediadores.

Ao justificar a proposta, o autor do projeto argumenta que os bachareis não aprovados no Exame da OAB podem ser encarregados de tarefas como levantar fatos e provas; fazer contato com clientes; organizar reuniões; e auxiliar em questões de informática e administração interna.

Segundo o autor, a profissão de assistente de advocacia inspira-se em atividades semelhantes existentes nos Estados Unidos, Canadá e Inglaterra. Nos EUA, onde são conhecidos como "paralegals", esses profissionais somam quase 280 mil.

Pelo projeto, os assistentes de advocacia seriam inscritos em quadro próprio na OAB, pagando anuidade correspondente a 60% do valor devido pelos advogados. Eles também poderiam integrar sociedades de advogados e receber honorários.

Entidades representativas estimam que existam no Brasil pelo menos 2 milhões de bachareis em Direito sem carteira de advogado.
 
Fonte: Agência Senado

Ana Iaci lança CD no Clube do Choro

 
 
 
A cantora e compositora brasiliense Ana Iaci carrega no sangue o gene da música. Para começo de conversar, sua bisavó foi aluna de ninguém menos do que Heitor Villa-Lobos, aprendendo com o mestre a musicalização. Com a avó pianista e mãe cantora e violonista, deu os primeiros passos soltando a voz. Já o tio maestro se surpreendeu quando, certo dia, aos dez anos, a talentosa menina cantou para ele a canção, Qualquer coisa, de Caetano Veloso. “Não é uma música fácil para criança cantar”, lembra. Na mesma época assistiu pela primeira vez uma ópera e pronto, Iaci já sabia o que queria ser quando crescesse. A profissionalização veio com as aulas na Escola de Música de Brasília - onde ser formou em canto -, e os palcos. A experiência adquirida ao longo desses anos todos será colocada à prova com o disco Ana Iaci, com lançamento dia 29 de Julho no Clube do Choro.
O trabalho autoral, lançado com apoio do FAC (Fundo de Apoio à Cultura), é o primeiro álbum gravado pela artista e conta com 10 canções escritas em grande parte com o parceiro Felipe Vieira. Eclético, o disco é enraizado na música popular, mas traz também influências de ritmos mundiais como jazzsoul e world music.
A admiração por nomes consagrados da MPB como Ivan Lins, Djavan, Chico Buarque, Tom Jobim e divas da nossa música como Elis Regina, Joyce, Jane Duboc e Maria Bethânia, fez com que Ana Iaci se enveredasse por vários estilos e gêneros na hora de escrever e interpretar canções. É o que mostra registros como os envolventes sambas Desfiladeiro e Circular (a música é de Camila Costa)além da delicada faixa O concreto. As letras cantadas pela voz marcante da artista têm como tema a beleza da natureza, do amor e do ser humano. Destaque para o reggae, Sol e mar, cantado em duo com o parceiro Felipe Vieira.
“O disco é um convite para me conhecer, é como se as pessoas olhassem para uma paisagem e pudessem sentir o que estão vendo, é uma pergunta para os outros”, observa a artista. “Vejo esse trabalho como um teste, no sentido de saber o que o público gosta de ouvir, por isso passo por vários estilos e gêneros, é importante para mim esse feedback”, comenta.
A gravação do CD Ana Iaci contou com o acompanhamento de seis músicos bases e alguns convidados especiais. Os arranjos buscam instrumentação variadas com a utilização de violão, piano, vozes, bateria e baixo, além das participações de instrumentos de acordeon e naipe de metais.
 
Serviço:
Lançamento do disco da cantora e compositora Ana Iaci, no Clube do Choro, dia 29/7/2014, às 21 horas. R$ 20,00 (inteira).
 

quinta-feira, 17 de julho de 2014

Ultrassonografia é eficaz na detecção de alterações mamárias

A ultrassonografia mamária é o primeiro exame de imagem feito em mulheres antes dos 40 anos. Este tipo de teste é utilizado para a identificação de possíveis alterações nas mamas. “O primeiro exame, de fato, é o clínico (toque), feito pelo ginecologista no consultório. Após este teste, o médico pode ou não indicar um exame de imagem, que é o ultrassom”, esclarece a especialista em mamas, Dra. Lorena Amaral, médica radiologista do laboratório Pasteur.
 
A especialista reforça que se o ginecologista não detectar nenhum sinal de alteração na mama, por meio do exame de toque, a solicitação da ultrassonografia não é obrigatória. “Entretanto, mesmo sem perceber nada no exame clínico, muitos médicos pedem a ultrassom como forma de deixar a paciente mais tranquila e segura”, ressalta.
 
Contudo, este é um tipo de exame imprescindível para pacientes diagnosticadas com lesões nas mamas. Isso porque esse método ajuda a diferenciar se o nódulo é cístico (contém líquido) ou sólido. “A ultrassonografia mamária é um exame complementar a mamografia. Ela ajuda o médico a entender melhor a imagem nodular, possibilitando identificar as características da lesão e dizer se ela é benigna ou maligna”, explica.
 
Por isso, Dra. Lorena destaca que as pacientes devem sempre levar a mamografia no dia em que forem realizar a ultrassonografia de mamas. “Ver o resultado da mamografia ajuda o médico radiologista a direcionar melhor as buscas por alterações. Sem este exame anterior, o especialista vai procurar uma agulha no palheiro”, observa.
 
A médica lembra que a ultrassonografia mamária não substitui a mamografia. “É sempre importante lembrar que a ultrassom é um exame complementar. Já a mamografia é um método consagrado de rastreamento de tumores de mamas, pois consegue detecta-los em estágios precoces”, finaliza.
 
Imagem Corporativa

Chefias de agências e outros servidores do IBGE entregam seus cargos



Chefes de agências, supervisores e coordenadores de pesquisas entregam cargos no Espírito Santo .
Também no Rio Grande do Sul, chefes de agências, coordenadores e supervisores de pesquisas entregaram seus cargos no Rio Grande do Sul. Eles querem o atendimento das reivindicações da categoria e não aceitam demissões de servidores temporários.

terça-feira, 15 de julho de 2014

Comissão do Senado pede reabertura das negociações e reversão de demissões no IBGE

A ASSIBGE-SN, através da companheira Gisela Colares (DF), participou de audiência pública na Comissão de Direitos Humanos do Senado, realizada dia 14 de julho. Durante a atividade, transmitida ao vivo pela TV Senado, o senador Paulo Paim (PT/RS - Presidente da Comissão) comprometeu-se a enviar solicitação formal ao Ministério do Planejamento, pedindo a reabertura das negociações com os trabalhadores do IBGE em greve, assim como a readmissão imediata dos servidores temporários.

Gisela, outros sindicalistas, representantes de movimentos populares e estudantis denunciaram a truculência que os movimentos sociais vêm sofrendo no Brasil. Na audiência também foi criticada a atitude arbitrária de efetuar prisões preventivas de supostos líderes no sábado (12/7), em função da realização de um protesto que ocorreria no dia seguinte (13/7), no Rio, o que fere a liberdade de organização e manifestação.

Fonte:ASSIBGE SN